Chefe da Ferrari destaca importância de estratégia na F1: 'Pode mudar toda a corrida'

Chefe da Ferrari a partir de 2023, Frédéric Vasseur destacou importância de acertar estratégia para obter sucesso na Fórmula 1. Em 2022, time italiano sofreu com decisões erradas

Por João Pedro Nascimento em 23/01/2023 às 13:45:02
Vasseur quer mudar histórico de erros da Ferrari em 2023 (Foto: Ferrari)

Vasseur quer mudar histórico de erros da Ferrari em 2023 (Foto: Ferrari)

Se a Red Bull transformou a temporada 2022 da Fórmula 1 em um verdadeiro passeio, a Ferrari viveu o lado oposto da moeda ao longo do ano. A tradicional equipe italiana acumulou erros de decisão no pit-lane e desperdiçou diversas oportunidades de conquistar vitórias, convertendo em triunfos apenas quatro das 12 poles conquistadas no campeonato. E o novo chefe, Frédéric Vasseur, quer mudar essa história em 2023.

Ocupando o caro que era de Mattia Binotto até o ano passado, Vasseur explicou a complexidade por trás das decisões tomadas na Fórmula 1, mas destacou a importância de interpretar corretamente o que fazer em cada momento. Segundo ele, qualquer erro pode ser fatal.

"A estratégia é uma parte crítica da Fórmula 1", avaliou Vasseur à revista Racecar Engineering. "No entanto, é algo complexo, que envolve alocação de pneus, o tempo das sessões ao longo de um fim de semana e o desenvolvimento de novas atualizações em circuitos em que elas serão mais determinantes", explicou.

Sainz e Leclerc protagonizaram pixotada em parada dupla da Ferrari em Mônaco (Foto: Ferrari)

"Quanto mais perto você estiver do pico de performance, mais dramático será o efeito de qualquer erro nas operações ou na estratégia", apontou. "Você precisa ter certeza de que está fazendo a coisa certa, no momento certo, para explorar as oportunidades que você tem para coletar dados e fazer progresso", salientou.

A Ferrari sofreu com algumas decisões tomadas pela equipe durante o ano e acabou deixando passar situações em que parecia totalmente no controle, como em Mônaco e na Inglaterra. Nas duas ocasiões, Carlos Sainz chegou a discordar do time pelo rádio e tomar as próprias decisões nas paradas de pneus. Não por acaso, acabou beneficiado em ambas.

Se a vitória não veio em Mônaco — Charles Leclerc despencou de primeiro para quarto e Sergio Pérez herdou o triunfo —, ao menos a primeira comemoração do espanhol na Fórmula 1 aconteceu em Silverstone, em mais uma corrida na qual o monegasco acabou prejudicado pela estratégia.

"A estratégia durante as corridas é completamente diferente", destacou. "O ponto principal é sobre o que vai acontecer em seguida e como tirar o máximo disso. As equipes estão constantemente olhando para a próxima volta e simultaneamente checando as rivais, para ver se será preciso manipular o que será feito de acordo com o que outros times estão fazendo", disse.

Por fim, Vasseur apontou a importância de agir antes que os pilotos errem, possibilidade que precisa ser levada em consideração pela equipe — e o GP da França, em que Leclerc cometeu um erro e foi diretamente no muro, está vivo na memória dos ferraristas. Na visão do francês, a escuderia precisa estar sempre pronta para buscar uma situação que traga vantagem nas corridas.

"Também é sobre saber que em algumas corridas, há pontos em que seus pilotos podem cometer erros", explicou. "Normalmente, isso acontece quando o desgaste dos pneus está alto ou quando há uma batalha por posição", ressaltou.

"Em momentos assim, isso pode mudar toda a sua corrida", admitiu. "Se há um safety-car, por exemplo, você pode dar saltos gigantescos no pelotão ou fazer um bom progresso com um novo jogo de pneus, enquanto os outros não conseguem atingir seus melhores tempos de volta", finalizou.

Fonte: Grande Prêmio

Comunicar erro

Comentários

Ks materiais