Viciados em eletrônicos, esquecemos que somos feitos de toque, cheiro, sons e principalmente pele

Se você não tem um perfil em rede social, ou você é anti-social, ou tem rabo preso

relacionamentos

Renatinha Galvani*

Da minha vida cuido eu. Quantas vezes já ouvimos ou dissemos isso? Seria mesmo verdade?

Estamos em um tempo que nada é tão “próprio” (faço o que eu bem entender) e tão “publico” quanto nossas vidas, digo isso devido ás redes sociais que agora nos apresentam e nos apontam como a grande maravilha do mundo, com o qual podemos estar conectados em tempo real, quase que de graça, com as pessoas que estão longe.

É inegável os benefícios dessa conectividade, porém é também indispensável dizer o quanto estamos dependentes dessas ferramentas. Outro dia estava conversando com um amigo que ficou uma semana sem internet, celular, longe da família, e etc… e a minha pergunta de cara foi: “você não ficou babando?!!!” (nos igualando á dependentes químicos). Sei que não somos dependentes químicos, para ser tão exagerada na pergunta, mas já somos sim dependentes eletrônicos.

texting-while-eating

Estamos viciados, alucinados e até bitolados nessas novidades. A cada dia são novos trunfos, para nos prender, reparem, quais eram as funções do seu celular á dois anos atrás? E hoje? Aposto que para a pergunta nº 1 a resposta no máximo chegou a 6, para a nº2 certamente passa de 10!

renata1A coisa anda tão surreal que, se você não tem um perfil em rede social, ou você é anti-social, ou tem rabo preso; dizer que prefere viver sua vida pra você, ao invés de deixá-la exposta para que as pessoas fiquem bisbilhotando, não é aceito como resposta.

Modernidade e avanços tecnológicos são coisas maravilhosas, porém precisamos ter em mente que antes do touch screen, somos feitos de toque, cheiro, sons e principalmente pele, acho que havia mais magia na vida, principalmente nos romances, como já dizia Djavan: “…Sem contar os dias, Que me faz morrer. Sem saber de ti. Jogado à Solidão…”

renata2

[author title=”Papo Sério- Renatinha Galvani” image=”https://lh3.googleusercontent.com/proxy/8dR0jfDygoIIHjwE_ZSRJwwuKW7S7ueO1ehiu1EJT_KYRZx8tTyuQHRQb735xTCSM1P798plw0u7yYhqVawsAANSfT525SX_1P0Yl6Sb2WyZbNqBupxjBIufpbB0y-bmsmjRRSNXAEnIfOTW7LDYvyyC=w346-h333-p”]Renata Galvani Pelincer, 28 anos, braço direito da mãe Madalena Galvani, empresária de um hotel. Formada em Técnico em administração e técnico em secretariado. É dona de uma personalidade marcante. Politizada, vê com apreensão a atual situação política brasileira, opina sobre comportamento, relações e o cotidiano. Escreve todas as sexta feiras [/author]

Share This:

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA