Entra geração e sai geração, a seleção masculina de vôlei está sempre entre os melhores times do planeta. Um número que mostra muito bem isso é que, nos últimos nove Campeonatos Mundiais, o Brasil chegou em oito semifinais. A única exceção é o torneio de 1994, quando o time ficou em quinto lugar, após cair por 3 a 2 para Cuba nas quartas de final. De resto, três títulos (2002/06/10), dois vices (1982 e 2004) e três quartos lugares (1986/90/98).

Confira a tabela no Campeonato Mundial de vôlei

Na última década, Bruninho tem sido um dos líderes desta seleção. Tem, no currículo, uma medalha de ouro e duas de prata em Jogos Olímpicos, além de uma prata e um ouro em Mundiais.

“É uma coisa nossa também essa pressão. A gente está acostumado a chegar sempre entre os primeiros e, muitas vezes, vencer. Estar sempre ali, então a gente se cobra. A gente tem que tentar evitar de pensar muito na frente, a gente pensa a cada dia, uma final a cada dia” – disse.

Para efeito de comparação, no período dos últimos nove Mundiais, Itália, Sérvia e Rússia têm quatro semifinais, EUA apenas duas (a última delas em 1994),assim como França e Polônia.

“Não é uma pressão, é uma responsabilidade boa. A gente gosta de assumir a responsabilidade e a gente gosta de chegar na final. No Mundial da Polônia, eu senti a vitória perto, mas perdemos para a Polônia. Ninguém quer menos que o ouro. Pressão existe, porque o Brasil está acostumado a ver a gente lá em cima. É entrar e dar o máximo” – disse Lipe, um dos principais destaques do Brasil até o momento.

A seleção brasileira venceu os dois jogos que fez neste Mundial até o momento, 3 a 0 contra o Egito e 3 a 2 contra a França. Neste sábado, o time enfrenta a Holanda pela primeira fase. Depois, fecha a participação contra China e Canadá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here