Os reitores das instituições federais de educação do Paraná se reuniram nesta segunda-feira (13) com os senadores paranaenses, Álvaro Dias, Flávio Arns e Oriovisto Guimarães, e diversos deputados, como Aliel Machado, Gustavo Fruet, Luciano Ducci, Luizão Goulart, Sergio Souza, Schiavinato, Rubens Bueno e Toninho Wandscheer. Todos tentam juntar forças para articular uma tentativa contra o corte de 30% na educação anunciada pelo governo Jair Bolsonaro.

“Não podemos concordar com esse corte abrupto, sem diálogo. Nós sabemos a importância dessas universidades federais para o nosso estado, por isso somaremos esforços para buscar uma solução para esse problema por meio do diálogo e do esforço comum”, declarou Oriovisto.

PUBLICIDADE_____________________________________________________________

Arns seguiu na mesma toada: “Vamos insistir no diálogo e em explicar para a sociedade, junto com os reitores, o que está acontecendo. Não se pode desqualificar instituições de ensino superior, ao contrário, deve-se valorizá-las. Considero essencial essa reunião para agirmos em conjunto e discutirmos outros caminhos para seguir”, disse.

São mais de 100 mil alunos atendidos pelas instituições de ensino paranaense. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) atendem 33 mil alunos cada, enquanto a Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) atende 6 mil estudantes e o Instituto Federal do Paraná (IFPR) conta com 20.199 pessoas em cursos presenciais e 10.029 à distância.

UFPR

A UFPR terá um corte de R$ 48 milhões dos R$ 161 milhões (30%). Dos R$ 112 milhões, R$ 20 milhões foram preservados para a assistência estudantil. Ou seja, sobrariam R$ 92 milhões.

Entretanto, a universidade teve autorização da Lei Orçamentária e já utilizou R$ 50 milhões. Com isso, restam apenas R$ 42 milhões para serem gastos até o final do ano. 

De acordo com o reitor Ricardo Marcelo, o valor é insuficiente para suprir todas as despesas até o final do ano. O corte inviabiliza o funcionamento da UFPR no segundo semestre de 2019.

“Considero um grave equívoco opor a importância do ensino superior brasileiro com a necessidade, que ninguém nega, de incentivo à educação infantil e básica. A universidade não é contra a educação básica, aliás é uma das responsáveis pela formação dos professores do setor de educação. A educação é um valor fundamental e precisa ser fomentada em todos os seus níveis, pois elas têm finalidades diferentes”, finalizou Marcelo.

VOCE TAMBÉM PODE GOSTAR
loading...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here