A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira, 26, que quer ter uma “conversa clara” com o presidente Jair Bolsonaro sobre o desmatamento no Brasil. Ela afirmou que, se tiver a oportunidade, vai tentar ter essa discussão durante o encontro da cúpula do G-20 que começa amanhã, em Osaka, no Japão.

“Assim como vocês, vejo com grande preocupação a questão das ações do presidente brasileiro (em relação ao desmatamento) e, se ela se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G-20 para ter uma discussão clara com ele”, afirmou ela a seus deputados.

PUBLICIDADE_____________________________________________________________

A alta nos níveis do desmatamento e a expansão das atividades agrícolas no Brasil fez com que 340 ONGs europeias e sul-americanas, incluindo Greenpeace e Amigos da Terra, questionassem o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul.

As ONGs pedem “medidas rigorosas” contra o desmatamento e “compromissos” em favor do Acordo de Paris sobre o Clima – um acordo firmado por 195 países, em 2015, para conter o aumento da temperatura média do planeta a menos de 2°C até o ano de 2100.

Anteontem, relatório do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) citou o Brasil como um exemplo de nação que está tomando medidas na direção contrária à necessária para enfrentar as mudanças climáticas. Uma das principais críticas foi à ideia de Bolsonaro de liberar a mineração em partes da Amazônia, floresta com a maior biodiversidade do planeta.

Merkel, no entanto, afirma discordar da medida solicitada pelas ONGs e sinalizou ser favorável à conclusão do acordo. “Acredito que a não conclusão do acordo com o Mercosul não contribuiria de forma alguma para o fato de que um hectare a menos seja desmatado no Brasil, pelo contrário”, ressaltou Merkel, afirmando que “esta não é a resposta para o que está acontecendo no Brasil”.

O acordo também é duramente criticado por agricultores europeus. Eles temem invasão de produtos sul-americanos, com a abolição de algumas tarifas aduaneiras.

Ainda em 2018, o Brasil anunciou ter desistido de ser sede da Conferência do Clima da ONU neste ano. A justificativa oficial foi a falta de verba para receber o evento, mas Bolsonaro sempre foi crítico de discussões sobre o aquecimento global.

O chanceler de Bolsonaro, Ernesto Araújo, já afirmou acreditar que a mudança climática é um “dogma científico”. Na campanha eleitoral, Bolsonaro chegou a dizer que poderia retirar o Brasil do Acordo de Paris por uma questão de “soberania”, mas depois indicou que permaneceria no pacto climático.

Governo

Procurados pelo jornal O Estado de S. Paulo ontem, o Palácio do Planalto e os Ministérios do Meio Ambiente e das Relações Exteriores não se manifestaram sobre as declarações de Merkel. (Com agências internacionais)

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

VOCE TAMBÉM PODE GOSTAR
loading...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here