Caixa libera R$ 3 bi para habitação popular na região

Prefeitos, secretários municipais, deputados federais e representantes de 47 cidades abrangidas pela Superintendência Regional dos Campos Gerais da Caixa Econômica Federal estiveram reunidos, nesta sexta-feira, em Ponta Grossa. O principal objetivo era fazer uma explicação, passo a passo, de como obter os recursos destinados pelo Governo Federal para a habitação, em especial os projetos do Minha Casa, Minha Vida (MCMV). Repasses federais, por meio de emendas, via OGU, também foram assunto do encontro. O evento foi realizado na sede da Superintendência da Regional da Caixa, no período da tarde, e contou com explanações do gerente-geral da Caixa, Délcio José Bevilaqua, da área de governo; e da Gerente de Habitação, Rosângela Tavares Bach.

O Superintendente Regional da Caixa, Adriano Borges Resende, explicou que não é um evento nacional, mas local, com o objetivo de prestar os esclarecimentos, já que havia essa demanda. “Sempre que em conversas com os novos prefeitos, eles nos perguntavam: ‘como faço para ter recursos de habitação para meu município?’. Então, para igualar esse nível de conhecimento das prefeitura, realizamos este encontro”, esclarece. E a adesão foi bastante positiva, como ele explica: representantes de 47 municípios, incluindo prefeitos, como o de Ventania (Antonio Helly Santiago), Palmeira (Edir Havrechaki) e de Ponta Grossa (Marcelo Rangel). O Deputado Sandro Alex e um representante do deputado Aliel Machado também acompanharam o evento.

Mesmo com o lançamento da fase 3 do programa de habitação do Governo Federal, Adriano informa que houve mudanças mais específicas, mas que, de forma geral, há poucas alterações. “Os representantes puderam tirar dúvidas sobre os projetos de como ter acesso ao Minha Casa, Minha Vida, ampliando o conhecimento de como dar entrada nos projetos. E também para aproximar a Caixa dos municípios, para prepara-los para a habitação, visando beneficiar a população dos Campos Gerais, informou. Até o momento, apenas um dos 67 municípios da regional não realizou nenhum projeto através do MCMV.

Resende também revelou a expressividade dos recursos do programa habitacional na regional: desde que lançado, em 2009, foram R$ 300 bilhões liberados para todo o pais, sendo 1% deste (R$ 3 bilhões) retido em projetos nos Campos Gerais, em quase 40 mil moradias. A Caixa leva em conta que cada família é composta por quatro pessoas, em média. “No total foram 39 mil famílias atendidas. Tendo em vista que a abrangência da Superintendência tem 1,7 milhão de pessoas, quase 10% da população foi atendida pelo Minha Casa, Minha Vida”, relata.

Região recebeu R$ 53 mi em recursos da OGU em 2017

O outro tema abordado no encontro da tarde desta sexta-feira na sede regional da Caixa foi os repasses aos municípios envolvendo os recursos do Orçamento Geral da União (OGU). Foi informado um passo a passo de como ocorre esse repasse de recursos, explicando como acertar o sistema de convênios para ter direito. Conforme relata Resende, praticamente todos os municípios da regional tem emendas, mas depende da atuação dos parlamentares. Somente no ano passado, por exemplo, foram R$ 53 milhões injetados na região através dessas emendas da OGU.

Projetos em análise em 2017

A procura, por parte dos municípios, junto à Caixa, por projetos habitacionais, já está bastante intensa em 2017. Segundo o superintendente Adriano Resende, até o momento, já foram protocolados mais de 6 mil projetos, que estão em análise pela área da habitação. Todos eles são referentes ao Programa Minha Casa, Minha Vida.

Share This:

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA